17 de junho de 2017

JOHN G. AVILDSEN (1935-2017), Diretor

Resultado de imagem para john g. avildsen


O diretor americano John G. Avildsen morreu no dia 16 de junho, em Los Angeles, de câncer no pâncreas. Tinha 81 anos.

Avildsen fez de tudo um pouco no cinema. Entre as outras funções que desempenhou, merecem ser mencionadas, em ordem decrescente de extensão, as de montador, produtor e diretor de fotografia.

Ele estreou como diretor no final dos anos 1960 e atingiu seu ponto culminante na carreira com o filme "Rocky - Um Lutador" (Rocky, 1976), pelo qual ganhou o Oscar de melhor diretor, assim como o prêmio do Sindicato dos Diretores da América.

Como diretor, sua filmografia conta mais de 20 filmes, dentre os quais se destacam "Joe - Das Drogas à Morte" (Joe, 1970), "Sonhos do Passado" (Save the Tiger, 1973), "Karatê Kid - A Hora da Verdade" (The Karate Kid, 1984), "Meu Mestre, Minha Vida" (Lean on Me, 1989) e "O Poder de um Jovem" (The Power of One, 1992).

John Guilbert Avildsen nasceu em 21 de dezembro de 1935, em Oak Park, Illinois. Deixou viúva a atriz Tracy Brooks Swope, mulher do seu segundo casamento, com que tinha uma filha, a atriz Bridget Avildsen. Tinha dois filhos do primeiro casamento, os atores Anthony G. Avildsen e Jonathan Avildsen. Era pai do produtor, roteirista e diretor Ash Avildsen, filho que teve fora dos casamentos.

(Foto: Google Imagens.)

14 de junho de 2017

ANITA PALLENBERG (1944-2017), Atriz

Resultado de imagem para anita pallenberg


A ex-modelo e atriz italiana Anita Pallenberg morreu no dia 13 de junho, aos 73 anos.

Enquanto era ainda apenas modelo, celebrizada em capa de revistas como a Vogue, Anita Pallenberg se aproximou dos roqueiros da banda Rolling Stones, em 1965. Primeiro, namorou Brian Jones (1942-1969), trocando-o depois por Keith Richards, com quem teve três filhos. Conta-se que teria tido um caso também com Mick Jagger, durante as filmagens de "Performance" (Idem, Reino Unido, 1970).

Ela teve o seu melhor momento no cinema na década de 1960, atuando em filmes como "Barbarella" (Idem, França/Itália, 1968), "Candy" (Idem, Itália/França/EUA, 1969), "Dillinger Morreu" (Dillinger è morto, Itália, 1969) e "O Tirano da Aldeia" (Michael Kohlhaas - Der Rebell, Alemanha Ocidental, 1969).

A partir da década de 1970, ela passou a trabalhar como designer de moda, e suas aparições no cinema se tornaram esporádicas, só retomando certa densidade em anos mais recentes. Seu último filme foi "4:44 - O Fim do Mundo" (4:44 Last Day on Earth, EUA/Suíça/França, 2011), de Abel Ferrara, cineasta americano de ascendência italiana, com quem tinha trabalhado outras vezes.

Anita Pallenberg nasceu em 25 de janeiro de 1944, em Roma, filha de pai italiano e mãe alemã. Era cidadã americana naturalizada.

(Foto: Google Imagens.)

11 de junho de 2017

ADAM WEST (1928-2017), Ator

Resultado de imagem para adam west


O ator americano Adam West morreu de leucemia no dia 9 de junho, em Los Angeles. Tinha 88 anos.

West foi mais bem-sucedido na TV, onde começou sua carreira em 1954 e atravessou mais de 60 anos de muita dedicação. Ficou mais conhecido por ter interpretado o Homem-Morcego na série "Batman" (1966-1968). E foi por seu trabalho na TV que ele ganhou uma estrela na Calçada da Fama.

No cinema, sua filmografia conta mais de 40 filmes, que são em grande parte desprezíveis e nos quais atuou quase sempre como coadjuvante. Dentre os melhores se destacam "O Moço de Filadélfia" (The Young Philadelphians, 1959), "Sangue de Apache" (Geronimo, 1962), "Robinson Crusoé em Marte" (Robinson Crusoe on Mars, 1964), "Batman - O Homem-Morcego" (Batman: The Movie, 1966), "Só o Casamento Nos Separa" (The Marriage of a Young Stockbroker, 1971), "Lindas de Morrer" (Drop Dead Gorgeous, 1999) e "O Retorno de Sweetback" (How to Get the Man's Foot Outta Your Ass, 2003).

William West Anderson nasceu em 19 de setembro de 1928, em Walla Walla, estado de Washington. Era graduado em literatura e psicologia. Em 1994, publicou sua autobiografia, com o título "Back to the Batcave" (De Volta à Batcaverna). Deixou viúva a mulher do seu terceiro casamento, com quem tinha quatro filhos, dois dos quais eram do casamento anterior dela e que ele adotou. Tinha dois filhos do segundo casamento.

(Foto: Google Imagens.)

10 de junho de 2017

FRED J. KOENEKAMP (1922-2017), Diretor de Fotografia

Resultado de imagem para fred j. koenekamp


O diretor de fotografia americano Fred J. Koenekamp morreu no dia 31 de maio, no estado da Califórnia, aos 94 anos.

Koenekamp começou sua carreira em Hollywood como assistente de câmera em "Um Estranho no Paraíso" (Kismet, 1955), e foi promovido a operador de câmera em seu terceiro filme, "Watusi - O Gigante Africano" (Watusi, 1959), e a diretor de fotografia em "Desapareceu um Espião" (One of Our Spies Is Missing, 1966), exemplar da franquia do Agente da U.N.C.L.E, subproduto da série de TV que ele mesmo fotografava.

Ele teve a melhor fase da sua carreira nos anos 1970, após fotografar o vencedor do Oscar "Patton - Rebelde ou Herói?" (Patton, 1970), de Franklin J. Shaffner, diretor com quem trabalhou em outros quatro filmes, entre os quais estão "Papillon" (Idem, 1973) e "A Ilha do Adeus" (Islands in the Stream, 1977).

Na sua extensa filmografia estão também "Dois Trapaceiros da Pesada" (Skin Game, 1971), "Fim de uma Angústia" (Rage, 1972), "Aconteceu num Sábado" (Uptown Saturday Night, 1974), "Inferno na Torre" (The Towering Inferno, 1974), pelo qual ganhou o Oscar de melhor fotografia, "Ambição Acima da Lei" (Posse, 1975), "Adivinhe Quem Vem para Roubar" (Fun Dick and Jane, 1977), "O Campeão" (The Champ, 1979) e "Intruder A-6 - Um Voo para o Inferno" (Flight of the Intruder, 1991), com o qual encerrou sua carreira no cinema.

Em 2005, recebeu o Prêmio pela Carreira concedido pela Sociedade Americana de Cinegrafistas.

Fred J. Koenekamp nasceu em 11 de novembro de 1922, em Los Angeles. Era filho do cinegrafista de efeitos especiais Hans F. Koenekamp (1891-1992).

(Foto: Google Imagens.)

9 de junho de 2017

GLENNE HEADLY (1955-2017), Atriz

Resultado de imagem para glenne headly


A atriz americana Glenne Headly morreu no dia 8 de junho, nos EUA, aos 62 anos.

Premiada atriz de teatro, Headly estreou no cinema fazendo um pequeno papel em "Amigos para Sempre" (Four Friends, 1981), de Arthur Penn. E rapidamente ascendeu para bons papéis até atingir o estrelato no final da década de 1980. Com um nome desses, o seu mérito se agiganta.

Dentre sua filmografia de 38 filmes se destacam "A Rosa Púrpura do Cairo" (The Purple Rose of Cairo, 1985), "Os Safados" (Dirty Rotten Scoundrels, 1988), "Dick Tracy" (Idem, 1990), "Mr. Holland - Adorável Professor" (Mr. Holland's Opus, 1995), "Marcas do Silêncio" (Bastard Out of Carolina, 1996), "Um Funeral Muito Louco" (Eulogy, 2004), "Nome de Família" (The Namesake, 2006) e "Como Não Perder Essa Mulher" (Don Jon, 2013).

Glenne Aimee Headly nasceu em 13 de março de 1955, em New London, Connecticut, mas foi criada em Nova York. Deixou viúvo o técnico em iluminação de cena Byron McCulloch, marido do seu segundo casamento, com quem tinha um filho. Seu primeiro casamento foi com o ator John Malkovich.

(Foto: Google Imagens.)

RITA RIGGS (1930-2017), Figurinista

Resultado de imagem para rita riggs


A figurinista americana Rita Riggs morreu no dia 5 de junho, em Los Angeles, aos 86 anos.

Riggs começou sua carreira em Hollywood cuidando do guarda-roupa feminino de "O Pescador da Galileia" (The Big Fisherman, 1959) e imediatamente cumpriu função semelhante em três filmes de Alfred Hitchcock: "Psicose" (Psycho, 1960), do qual também desenhou os figurinos, sem receber crédito na tela, "Os Pássaros" (The Birds, 1963) e "Marnie - Confissões de uma Ladra" (Marnie, 1964).

A partir de 1969, passou a atuar mais como figurinista, tanto no cinema quanto na TV. Foi mais bem-sucedida na TV, que lhe deu o Prêmio pela Carreira, do Sindicato dos Figurinistas.

No cinema, embora tenha criado figurinos para dezenas de outros filmes, somente com esforço se consegue alguns dignos de nota. De Hollywood: "Uma Cidade Contra o Vício" (Cold Turkey, 1971), "A Polícia na Estrada" (Electra Glide in Blue, 1973), "A Sombra de um ídolo" (The Idolmaker, 1980), "Um Sonho, Dois Amores" (The Thing Called Love, 1993) e "Surpresas da Vida" (The Dust Factory, 2004).

Ela trabalhou também para produções europeias, dentre as quais se destacam "O Segredo Íntimo de Lola" (Model Shop, França/EUA, 1969), de Jacques Demy, e "O Passo Suspenso da Cegonha" (To meteoro vima tou pelargou, França/Itália/Grécia/Suíça, 1991), de Theodoros Angelopoulos.

Rita Riggs nasceu em 2 de setembro de 1930, em Lead Hill, Arkansas. Era viúva sem filhos.

(Foto: Google Imagens.)

28 de maio de 2017

Festival de Cannes 2017: Palma de Ouro Vai para Filme Sueco

Resultado de imagem para festival de cannes 2017


A 70ª edição do Festival de Cinema de Cannes, encerrado hoje, concedeu a Palma de Ouro de melhor filme a "The Square". O prêmio de melhor ator foi para o americano Joaquin Phoenix, e o de melhor atriz para a alemã Diane Kruger. A cineasta americana Sofia Coppola conquistou o prêmio de melhor diretora.
A seguir, a lista dos principais premiados na categoria longa-metragem:

1 - Melhor Filme: "The Square" (Suécia/Alemanha/França/Dinamarca, 2017), de Ruben Östlund

2 - Melhor Diretora: Sofia Coppola, por "O Estranho que Nós Amamos" (The Beguiled, EUA, 2017)

3 - Melhor Ator: Joaquin Phoenix, por "You Were Never Really Here" (EUA/França, 2017), de Lynne Ramsay

4 - Melhor Atriz: Diane Kruger, por "In the Fade" (Aus dem Nichts, Alemanha/França, 2017), de Fatih Akin

5 - Grande Prêmio do Júri: "120 battements par minute" (França, 2017), de Robin Campillo

6 - Melhor Roteiro: Lynne Ramsay, por "You Never Were Really Here", e Yorgos Lanthimos e Efthymis Filippou, por "The Killing of a Sacred Deer" (Reino Unido/Irlanda, 2017), de Yorgos Lanthimos

7 - Prêmio do Júri: "Loveless" (Nelyubov, Rússia/França, 2017), de Andrey Zvyagintsev

8 - Prêmio do Júri Ecumênico: "Radiance" (Hikari, Japão/França, 2017), de Naomi Kawase

9 - Melhor Documentário: "Faces Places" (Visages, villages, França, 2017), de JR e Agnès Varda

10 - Prêmio Especial: Nicole Kidman, atriz americana com quatro trabalhos no festival

11 - Prêmio Câmera de Ouro (diretor estreante): "Jeune femme" (França/ Bélgica, 2017), de Léonor Serraille.

24 de maio de 2017

Sir ROGER MOORE (1927-2017), Ator

Resultado de imagem para roger moore


O ator inglês Sir Roger Moore morreu de câncer no dia 23 de maio, na Suíça, aos 89 anos.

Tendo estudado na Academia Real de Artes Dramáticas, Moore começou sua carreira no cinema britânico no meado dos anos 1940, sem a indicação de que teria futuro, após aparecer em nove filmes fazendo pontas e quase sempre sem receber crédito na tela. A sorte só lhe sorriu após se mudar para os EUA, em 1953. Logo de início, Hollywood lhe deu bons papéis, a partir do filme "A Última Vez que Vi Paris" (The Last Time I Saw Paris, 1954). Rapidamente, a cada novo filme seus papéis foram ganhando maior importância até que se tornou ator principal. Na sua fase hollywoodiana, constam sete filmes, entre os quais estão também "Diana de França" (Diane, 1956), "Melodia Interrompida" (Interrupted Melody, 1955), "O Milagre" (The Miracle, 1959) e "Ouro que o Destino Carrega" (Gold of the Seven Saints, 1961).

No comecinho da década de 1960, ele voltou ao cinema europeu já como ator principal, embora atuando em filmes pouco ou nada relevantes. O grande salto na sua carreira se deu quando ganhou o papel de James Bond em "Com 007 Viva e Deixe Morrer" (Live and Let Die, 1973). Encarnou o Agente 007 em outros seis filmes da franquia, sendo o último "007 na Mira dos Assassinos" (A View to a Kill, 1985). Apesar da idade e da peruca que precisou usar sobre a testa, teve reconhecido o mérito de imprimir mais elegância e sofisticação à personagem James Bond.

Sua filmografia conta, ao todo, mais de 50 títulos. Mas, à parte os filmes de 007, tanto os realizados concomitantemente às produções da franquia quanto os dos anos vindouros, mesmo tendo sido requisitado para atuar em filmes que obtiveram sucesso comercial, poucos merecem ser lembrados, ainda assim com uma dose de boa vontade, como "A Batalha da Vingança" (Shout at the Devil, 1976), "Selvagens Cães de Guerra" (The Wild Geese, 1978), "Quem Não Corre, Voa" (The Cannonball Run, 1981) e "O Santo" (The Saint, 1997).

No tocante aos prêmios, sua colheita foi pouco expressiva. Recebeu, em 1980, um Globo de Ouro especial como Ator Favorito do Cinema Mundial e, em 2007, uma estrela na Calçada da Fama. Mais significativa foi a comenda de Comandante da Ordem das Artes e das Letras, recebida do governo da França em 2008.

Moore teve grande importância como embaixador de boa-vontade do UNICEF. Graças ao seu engajamento nesta função, recebeu da rainha Elizabeth II o título de Comandante da Ordem do Império Britânico, em 1998. Em 2003, a rainha o promoveu a Comandante Cavaleiro da mesma ordem, por seus serviços ao UNICEF e ao Kiwanis Internacional, clube americano voltado à educação que atende a crianças de todo o mundo. Portanto, estas honrarias nada têm a ver com o seu trabalho como ator.

Roger George Moore nasceu em 14 de outubro de 1927, em Londres. Deixou viúva a mulher do seu quarto casamento. Tinha três filhos do terceiro casamento, com a atriz italiana Luisa Mattioli. Era pai da atriz Deborah Moore, do ator Geoffrey Moore e do produtor Christian Moore.

(Foto: Google Imagens.)

23 de maio de 2017

DINA MERRILL (1923-2017), Atriz

Resultado de imagem para dina merrill


A atriz americana Dina Merrill morreu no dia 22 de maio, em East Hampton, estado de Nova York, de uma doença chamada demência com corpos Lewy. Tinha 93 anos.

Bela e elegante, ela abandonou a faculdade para estudar na Academia Americana de Artes Dramáticas e trabalhar no teatro nos anos 1940. No meado dos anos 50, migrou para a TV e, em seguida, para o cinema, onde teve a sua melhor fase num período que vai até a metade dos anos 60.

Enquanto durou sua beleza, conseguiu bons papéis em filmes como "Amor Eletrônico" (Desk Set, 1957), que marcou sua estreia no cinema, "A Canoa Furou" (Dont't Give Up the Ship, 1959), "Anáguas a Bordo" (Operation Petticoat, 1959), "Disque Butterfield 8" (BUtterfield 8, 1960), "Peregrino da Esperança" (The Sundowners, 1960), "Juventude Selvagem" (The Young Savages, 1961) e "Papai Precisa Casar" (The Courtship of Eddie's Father, 1963).

Posteriormente, passou a atuar mais na TV e menos no cinema, geralmente em filmes descartáveis. Ainda assim, graças ao seu charme e elegância, apareceu em dois belos filmes de Robert Altman, "Cerimônia de Casamento" (A Wedding, 1978) e "O Jogador" (The Player, 1992).

Em 2005, a Academia Americana de Artes Dramáticas a homenageou com um prêmio pela carreira.

Nasceu Nedenia Marjorie Hutton em 29 de dezembro de 1923, em Nova York. Herdeira de uma grande fortuna de ambos os pais, casou-se em 1946 com outro ricaço. Era a atriz mais rica do mundo, com um patrimônio estimado em 5 bilhões de dólares. Deixou viúvo o marido do seu terceiro casamento, também dono de grande fortuna. Ambos eram donos dos estúdios RKO. Teve três filhos do primeiro casamento e uma filha do segundo, com o ator Cliff Robertson (1923-2011).

(Foto: Google Imagens.)


17 de maio de 2017

OLEG VIDOV (1943-2017), Ator

Resultado de imagem para oleg vidov


O ator russo Oleg Vidov morreu de câncer no dia 16 de maio, em Westlake Village, Califórnia, EUA. Tinha 73 anos.

Vidov, que iniciou sua carreira no cinema soviético em 1961, tornou-se um símbolo sexual de sua geração na Rússia, sendo chamado de Robert Redford Soviético. De sua primeira fase na União Soviética, são conhecidos no Brasil apenas os filmes "24 Horas em Moscou" (Ya shagayu po Moskve, 1964) e "A Lenda do Rei Saltan" (Skazka o tsare Saltane, 1967).

A partir de 1967, passou a ter um pé fora da Rússia, atuando em filmes de países europeus da Cortina de Ferro e, eventualmente, até em superproduções internacionais, com participação de Hollywood, como "A Batalha do Neretva" (Bitka na Neretvi, 1969) e "Waterloo" (Idem, 1970).

Em 1985, ele fugiu para EUA, passando a residir em Los Angeles. Da sua filmografia exclusivamente hollywoodiana são dignos de nota "Inferno Vermelho" (Red Heat, 1988), "Orquídea Selvagem" (Wild Orchid, 1989), "Segredos do Coração" (Love Affair, 1994), "Treze Dias que Abalaram o Mundo" (Thirteen Days, 2000) e "Fale Isso na Rússia" (Say It in Russian, 2007).

Oleg Borisovich Vidov nasceu em 11 de junho de 1943, em Moscou. Deixou viúva a mulher do seu terceiro casamento. Tinha dois filhos.

(Foto: Google Imagens.)

15 de maio de 2017

POWERS BOOTHE (1948-2017), Ator

Resultado de imagem para powers boothe


O ator americano Powers Boothe morreu no dia 14 de maio, em Los Angeles, de causas naturais. Tinha 68 anos.

Boothe começou sua carreira no teatro como integrante de uma companhia shakespeariana e permaneceu durante dez anos interpretando papéis em peças de Shakespeare. Depois passou a atuar regularmente também no cinema e na TV. Foi mais bem-sucedido na TV, que o premiou com um Emmy de melhor ator.

Frequentemente interpretava personagens dotadas de autoridade como militares e agentes do governo ou do clero. O cineasta Robert Rodriguez, que o dirigiu nos dois filmes da franquia Sin City, disse que Boothe era "um imponente cavalheiro do Texas e um artista de classe mundial".

Sua filmografia conta perto de 30 filmes, entre os quais estão "A Garota do Adeus" (The Goodbye Girl, 1977), sua estreia no cinema, "Confronto Final" (Southern Comfort, 1981), "A Floresta das Esmeraldas" (The Emerald Forest, 1985), "Tombstone - A Justiça Está Chegando" (Tombstone, 1993), "Céu Azul" (Blue Sky, 1994), "Nixon" (Idem, 1995), "Homens de Honra" (Men of Honor, 2000), "Sin City - A Cidade do Pecado" (Sin City, 2005), "The Avengers - Os Vingadores" (The Avengers, 2012) e "Sin City - A Dama Fatal" (Sin City: A Dame to Kill For, 2014), que marcou o fim de sua carreira no cinema.

Powers Allen Boothe nasceu em 1º de junho de 1948, em Snyder, Texas. Em Los Angeles, ele se dedicava também à criação de cavalos de corrida. Deixou viúva e dois filhos. Era pai da atriz Parisse Boothe e do ator Preston Boothe.

(Foto: Google Imagens.)

12 de maio de 2017

MICHAEL PARKS (1940-2017), Ator

Resultado de imagem para michael parks


O ator americano Michael Parks morreu no dia 9 de maio, em Los Angeles, aos 77 anos.

Parks era já quase um veterano na TV quando estreou no cinema fazendo o principal papel masculino em "Na Voragem do Amor" (Bus Riley's Back in Town, 1965). Mas logo adquiriu notoriedade ao aparecer "vestido" com apenas uma folha de parreira como Adão em "A Bíblia" (The Bible: In the Beginning..., 1966).

Mais recentemente, seu caminho cruzou com o de Quentin Tarantino, quando atuou em "Um Drinque no Inferno" (From Dusk Till Dawn, 1996), de Robert Rodriguez, filme que contava com Tarantino como roteirista e como ator. Impressionado com o talento de Parks, a quem considerava um dos melhor atores do mundo, Tarantino o escalou no elenco de seus filmes "Kill Bill - Volume 1" (Kill Bill: Vol. 1, 2003), "Kill Bill - Volume 2" (Kill Bill: Vol. 2, 2004), "À Prova de Morte" (Death Proof, 2007) e "Django Livre" (Django Unchained, 2012).

A extensa e variada filmografia de Parks inclui também "Os Últimos Machões" (The Last Hard Men, 1976), "O Impostor" (Deceiver, 1997), "Planeta Terror" (Planet Terror, 2007), "O Assassinato de Jesse James pelo Covarde Robert Ford" (The Assassination of Jesse James by the Coward Robert Ford, 2007), "Argo" (Idem, 2012) e "Herança de Sangue" (Blood Father, 2016). Fica evidente que a qualidade de seus filmes melhorou muito depois que Tarantino manifestou sua admiração por ele.

Harry Samuel Parks nasceu em 24 de abril de 1940, em Corona, Califórnia. Teve seu momento como cantor, nos anos 1960 e 70, gravando elepês de jazz, blues e country. Deixou viúva a mulher do seu quinto casamento. Seus casamentos anteriores terminaram em divórcio, exceto o segundo, com a atriz Jan Moriarty (1939-1964), que faleceu antes de completar dois meses de matrimônio. Era pai do ator James Parks.

(Foto: Google Imagens.)

11 de maio de 2017

NELSON XAVIER (1941-2017), Ator

Resultado de imagem para nelson xavier


O ator brasileiro Nelson Xavier morreu de câncer no dia 10 de maio, em Uberlândia, Minas Gerais. Tinha 75 anos.

Xavier era um dos grande atores brasileiros, que atuou com brilhantismo tanto no teatro e na TV como no cinema, que lhe deu muitos prêmios.

Sua filmografia compreende 60 filmes, entre os quais estão "O Fuzis" (1964), de Ruy Guerra, pelo qual ganhou o prêmio de melhor ator no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro e o Prêmio Especial do Júri do Festival de Berlim, na Alemanha, "A Falecida" (1965), de Leon Hirszman, "Os Deuses e os Mortos" (1970), de Ruy Guerra, "Vai Trabalhar Vagabundo" (1973), de Hugo Carvana, "A Rainha Diaba" (1974), de Antônio Carlos da Fontoura, "Dona Flor e Seus Dois Maridos" (1976), de Bruno Barreto, "A Queda" (1978), que ele codirigiu com Ruy Guerra, e lhe valeu o prêmio de melhor ator no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, "Eles Não Usam Black-Tie" (1981), de Leon Hirszman, "O Mágico e o Delegado" (1983), de Fernando Coni Campos, que lhe deu o terceiro prêmio de melhor ator no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, "Césio 137 - O Pesadelo de Goiânia" (1990), de Roberto Pires, "Brincando nos Campos do Senhor" (At Play in the Fields of the Lord, 1991), de Hector Babenco, "Chico Xavier" (2010), de Daniel Filho, e "A Despedida" (2014), de Marcelo Galvão, que lhe garantiu vários prêmios de melhor ator em festivais internacionais e, inclusive, no Festival de Gramado, no Rio Grande do Sul.

Nelson Agostini Xavier nasceu em 30 de agosto de 1941, em São Paulo, São Paulo. Deixou viúva a bailarina, cantora e atriz Vya Negromonte, mulher do seu terceiro casamento, com quem tinha uma filha. Tinha três outros filhos, inclusive um extra-matrimonial, o ator Pedro Cabizuca. Era pai também da atriz Tereza Villela Xavier.

(Foto: Google Imagens.)

19 de abril de 2017

NEUZA AMARAL (1930-2017), Atriz

Resultado de imagem para neuza amaral


A atriz brasileira Neuza Amaral morreu hoje, no Rio de Janeiro, de embolia pulmonar. Tinha 86 anos.

Tendo nascido no interior de São Paulo e se mudado para o Rio de Janeiro ainda criança, ela começou sua carreira no rádio, no início dos anos 1950. Sua carreira na TV, que lhe rendeu um prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte, teve início em 1957. Sua estreia no cinema se deu mais tarde, com o filme "A Lei do Cão" (1967), de Jece Valadão.

Entre as produções mais importantes em que atuou estão "As Duas Faces da Moeda" (1979), de Domingos de Oliveira, e "Pra Frente, Brasil" (1982), de Roberto Farias.

Sua filmografia conta 20 filmes, a maior parte dos quais foram nos anos 1970, época em que predominaram as pornochanchadas no cinema brasileiro. Eis alguns exemplos: "Memórias de um Gigolô" (1970), "Os Machões" (1972), "Café na Cama" (1973), "Amada Amante" (1978) e "A Pantera Nua" (1979).

Nasceu Neusa Gouveia da Silva do Amaral em 1º de agosto de 1930, em São José do Barreiro, São Paulo. Foi eleita vereadora do Rio de Janeiro, na década de 1990. Tinha um filho.

(Foto: Google Imagens.)


16 de abril de 2017

CLIFTON JAMES (1921-2017), Ator

Resultado de imagem para clifton james


O ator característico americano Clifton James morreu no dia 15 de abril, em Gladstone, Oregon, em decorrência de diabete. Tinha 95 anos.

James começou sua carreira na década de 1950 e fez trabalhos para a TV e para o cinema em números equivalentes. Ficou mais conhecido por ter interpretado um xerife do Sul dos EUA nos filmes "Com 007 Viva e Deixe Morrer" (Live and Let Die, 1973) e "007 Contra o Homem com a Pistola de Ouro" (The Man with the Golden Gun, 1974). Sua caricatura do sotaque sulista americano fez tanto sucesso que ele repetiu o papel em "Superman II - A Aventura Continua" (Superman II, 1980).

Sua filmografia conta 48 filmes, entre os quais estão também "O Rancoroso" (The Strange One, 1957), "Escravas do Medo" (Experiment in Terror, 1962), "David e Lisa" (David and Lisa, 1962), "Caçada Humana" (The Chase, 1966), "Rebeldia Indomável" (Cool Hand Luke, 1967), "E o Bravo Ficou Só" (Will Penny, 1967), "A Última Missão" (The Last Detail, 1973), "Fora da Jogada" (Eight Men Out, 1988) e "Lone Star - A Estrela Solitária" (Lone Star, 1996).

George Clifton James nasceu em 29 de maio de 1921, em Spokane, estado de Washington, mas foi criado em Gladstone, Oregon. Durante a Segunda Guerra Mundial, integrou as forças do Exército Americano no Pacífico Sul, onde permaneceu como combatente de janeiro de 1942 a agosto de 1945, tendo recebido várias condecorações. Era viúvo da mulher do seu segundo casamento, com quem teve cinco filhos. Tinha um filho do primeiro casamento.

(Foto: Google Imagens.)

13 de abril de 2017

MICHAEL BALLHAUS (1935-2017), Diretor de Fotografia

Resultado de imagem para michael ballhaus


O diretor de fotografia alemão Michael Ballhaus morreu no dia 12 de abril, em Berlim, aos 81 anos.

Ballhaus começou na TV alemã, no final da década de 1950, e adquiriu notoriedade no início dos anos 1970, quando passou a fotografar os filmes de Rainer Werner Fassbinder. Foram 15 filmes, inclusive três para a TV, entre os quais estão "As Lágrimas Amargas de Petra von Kant" (Die bitteren Tränen der Petra von Kant, 1972), "O Direito do Mais Forte à Liberdade" (Faustrecht der Freiheit, 1975), "A Viagem da Mãe Küster para o Céu" (Mutter Küsters' Fahrt zum Himmel, 1975), "Roleta Chinesa" (Chinesisches Roulette, 1976) e "O Casamento de Maria Braun" (Die Ehe der Maria Braun, 1979).

Na década de 1980, ele migrou para os EUA, onde se associou a diretores como Martin Scorsese, Mike Nichols e James L. Brooks. Sua parceria com Scorsese rendeu sete filmes, entre os quais estão "Depois de Horas" (After Hours, 1985), "A Cor do Dinheiro" (The Color of Money, 1986), "A Última Tentação de Cristo" (The Last Temptation of Christ, 1988), "Os Bons Companheiros" (Goodfellas, 1990), "A Época da Inocência" (The Age of Innocence, 1993) e "Os Infiltrados" (The Departed, 2006).

Ballhaus foi também responsável pela fotografia dos filmes "Lembranças de Hollywood" (Postcards from the Edge, 1990), de Mike Nichols, e "Drácula de Bram Stoker" (Dracula, 1992), de Francis Ford Coppola.

Em 2016, ele recebeu um prêmio honorário Urso de Ouro, no Festival de Berlim.

Michael Balhaus nasceu em 5 de agosto de 1935, em Berlim. Era viúvo da atriz alemã Helga Ballhaus (1935-2006), com quem teve dois filhos: o assistente de diretor Jan Sebastian Ballhaus e o diretor de fotografia Florian Ballhaus. Deixou viúva a diretora americana Sherry Hormann.

(Foto: Google Imagens.)